Ex-jogadora da seleção americana é a primeira mulher a assumir presidência da US Soccer

A luta das jogadoras americanas da seleção feminina de futebol e atuais campeãs mundiais pela igualdade de direitos resultou na mudança da presidência da instituição. Cindy Parlow Cone, ex-jogadora da US Soccer (Federação de Futebol dos Estados Unidos), é a primeira mulher a assumir a presidência da organização.

A saída do então presidente Carlos Cordeiro ocorre em um momento de processo na justiça americana por equidade de salários. Vinte e oito jogadoras da seleção americana entraram com processo contra a federação com apoio dos patrocinadores da entidade. A Coca-Cola impôs esclarecimentos a Cordeiro e este processo levou ao pedido de demissão do executivo.

Não seria necessário utilizar de argumentos para um princípio básico de igualdade, mas a declaração utilizada pelas profissionais foi de que a equipe gerou mais receita do que a masculina entre 2016 e 2018. Enquanto os jogadores entregaram um lucro de US$ 49.9 milhões, as jogadoras geraram quase US$ 51 milhões. Hoje a equipe feminina recebe benefícios e bônus por representar a US Soccer, mas os valores não chegam nem próximo do que recebem o time masculino.

No mundo, não há pesquisas que indiquem a porcentagem de mulheres em cargos diretivos. No Brasil, uma pesquisa feita pela Gazeta do Povo em 2018 indica que este número não chega a 2% em clubes da série A. Abaixo citamos algumas mulheres que estão ou estiveram em cargos de destaque nas gestões da modalidade.

  • Fatma Samoura: a primeira mulher a ocupar o cargo de secretáriageral da FIFA. Fatma é ex-funcionária da ONU e relata em seu perfil no Twitter que tem “orgulho de liderar uma equipe de mais de 400 funcionários multiculturais na FIFA”.
  • Lucía Barbuto: a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente de um clube na Argentina. Lucía é presidenta, como gosta de ser chamada, do Club Atlético Banfield.
  • Leila Pereira: presidente da empresa de crédito pessoal Crefisa, Leila é a responsável pelo principal patrocínio da equipe de futebol da Sociedade Esportiva Palmeiras.
  • Patrícia Amorim: vinte e oito vezes campeã brasileira nos 200, 400, 800 e 1.500 metros livres, Patrícia além de ex-nadadora é ex-presidente do Clube de Regatas do Flamengo e teve sua gestão sucedida por Eduardo Bandeira de Mello.
  • Stephanie Figer: empresária especialista em gestão, marketing e Direito do esporte. Stephanie trabalha com o agenciamento e intermediação de atletas e clubes no Grupo Finger, empresa fundada pelo avô uruguaio Juan Figer.

*Esta reportagem foi por Clara Maria Lino e revisada por Gabriela Andrade. As reproduções deste conteúdo devem indicar que a produção é da Agência Maria Boleira e mencionar os nomes da autora e revisora. 

Compartilhe:

Compartilhar em facebook
Facebook
Compartilhar em twitter
Twitter
Compartilhar em whatsapp
WhatsApp
No comments
Deixe uma resposta

Veja também

Posts Relacionados

Cheias de bandeiras

A história do futebol tem uma grande reviravolta desde a sua entrada nas casas brasileiras pelos rádios. A sensação de…